Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

SCImago Journal & Country Rank
Busca avançada

Ano 2017 - Volume 43  - Número 4  (Julho/Agosto)

App





Educação continuada: Imagem

3 - Espessamento da parede traqueal

Thickening of the tracheal wall

Edson Marchiori, Bruno Hochhegger, Gláucia Zanetti

J Bras Pneumol.2017;43(4):251

PDF PT PDF EN English Text


Educação Continuada: Metodologia Científica

Artigo Original

5 - Utilidade de sinais radiológicos de congestão pulmonar para predizer o fracasso do teste de respiração espontânea

Usefulness of radiological signs of pulmonary congestion in predicting failed spontaneous breathing trials

Ana Carolina Peçanha Antonio, Cassiano Teixeira, Priscylla Souza Castro, Ana Paula Zanardo, Marcelo Basso Gazzana, Marli Knorst

J Bras Pneumol.2017;43(4):253-258

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: A queda inspiratória da pressão intratorácica durante o teste de respiração espontânea (TRE) pode provocar disfunção cardíaca e edema pulmonar agudo. Nosso objetivo foi determinar a relação entre sinais radiológicos de congestão pulmonar antes do TRE e desfechos do desmame. Métodos: Análise post hoc de um estudo prospectivo de coorte envolvendo pacientes em uma UTI medicocirúrgica de adultos. Todos os indivíduos incluídos preencheram os critérios de elegibilidade para liberação da ventilação mecânica. Pacientes traqueostomizados foram excluídos. O desfecho primário foi o fracasso do TRE, cuja definição foi a incapacidade de tolerar o teste de tubo T durante 30-120 min. Um radiologista assistente usou um escore radiológico na interpretação de radiografias de tórax digitais realizadas antes do TRE. Resultados: Foram realizados 170 testes de tubo T; o TRE fracassou em 28 (16,4%), e 133 indivíduos (78,3%) foram extubados na primeira tentativa. Os escores radiológicos foram semelhantes nos grupos fracasso e sucesso do TRE [mediana (intervalo interquartil) = 3 (2-4) pontos vs. 3 (2-4) pontos; p = 0,15] e caracterizaram, segundo os critérios do escore, congestão pulmonar intersticial. A análise das curvas ROC revelou que os achados de congestão na radiografia de tórax antes do TRE apresentavam baixa precisão (área sob a curva = 0,58) para discriminar entre fracasso e sucesso do TRE. Não houve correlação entre o balanço hídrico nas 48 h anteriores ao TRE e os resultados do escore radiológico (ρ = −0,13). Conclusões: Achados radiológicos de congestão pulmonar não deveriam atrasar o TRE, já que não previram o fracasso do desmame na população médico-cirúrgica em estado crítico. (ClinicalTrials.gov identifier: NCT02022839 [http://www.clinicaltrials.gov/])

 


Palavras-chave: Radiografia; Edema pulmonar; Desmame do respirador.

 

6 - Papilomatose laringotraqueobrônquica: avaliação por TC de tórax

Laryngotracheobronchial papillomatosis: chest CT findings

Helena Ribeiro Fortes, Felipe Mussi von Ranke, Dante Luiz Escuissato, Cesar Augusto Araujo Neto, Gláucia Zanetti, Bruno Hochhegger, Klaus Loureiro Irion, Carolina Althoff Souza, Edson Marchiori

J Bras Pneumol.2017;43(4):259-263

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Analisar os achados em TCs de tórax em 16 pacientes (8 homens e 8 mulheres) com papilomatose laringotraqueobrônquica. Métodos: Estudo retrospectivo que incluiu pacientes com idade variando de 2 a 72 anos. As imagens de TC foram avaliadas por dois observadores, de forma independente, e os casos discordantes foram resolvidos por consenso. Os critérios de inclusão foram presença de anormalidades na TC, e o diagnóstico foi confirmado por exame anatomopatológico das lesões papilomatosas. Resultados: Os sintomas mais frequentes foram rouquidão, tosse, dispneia e infecções respiratórias de repetição. Os principais achados na TC foram formações nodulares na traqueia, nódulos sólidos e/ou escavados no parênquima pulmonar, aprisionamento aéreo, massas e consolidação. Formações nodulares na traqueia foram observadas em 14 pacientes. Somente 2 pacientes apresentaram lesões parenquimatosas pulmonares na ausência de acometimento traqueal, e 1 paciente não apresentou disseminação pulmonar da doença, somente comprometimento de via aérea. Nódulos sólidos no parênquima pulmonar foram observados em 14 pacientes (87,5%) e nódulos escavados em 13 (81,2%). Massas foram observadas em 6 pacientes (37,5%); aprisionamento aéreo, em 3 (18,7%); consolidação, em 3 (18,7%); e derrame pleural, em 1 (6,3%). O comprometimento pulmonar foi bilateral em todos os pacientes. Conclusões: Os achados tomográficos mais frequentes foram formações nodulares na traqueia, nódulos sólidos e/ou escavados no parênquima pulmonar e massas parenquimatosas. A transformação maligna das lesões foi observada em 5 casos.

 


Palavras-chave: Papiloma; Tomografia computadorizada por raios X; Pneumopatias.

 

7 - Tradução e adaptação cultural de um instrumento específico para medir o controle e estado da asma: Asthma Control and Communication Instrument

Translation and cultural adaptation of a specific instrument for measuring asthma control and asthma status: the Asthma Control and Communication Instrument

Michelle Gonçalves de Souza Tavares, Carolina Finardi Brümmer, Gabriela Valente Nicolau, José Tavares de Melo Jr, Nazaré Otilia Nazário, Leila John Marques Steidle, Cecília Maria Patino, Marcia Margaret Menezes Pizzichini, Emílio Pizzichini

J Bras Pneumol.2017;43(4):264-269

Resumo PDF PT PDF EN English Text Anexo

Objetivo: Traduzir e adaptar culturalmente para a língua portuguesa falada no Brasil um instrumento que avalia a comunicação e o controle da asma, denominado Asthma Control and Communication Instrument (ACCI). Métodos: O ACCI foi traduzido e adaptado culturalmente com um protocolo que incluiu etapas internacionalmente aceitas: autorização e cessão de direitos de uso do ACCI de seu idealizador; tradução do ACCI da língua inglesa para a língua portuguesa; reconciliação; retradução; revisão e harmonização da retradução; aprovação do idealizador do ACCI; revisão da versão em português do ACCI por especialistas; desdobramento cognitivo (teste da clareza, compreensibilidade e aceitabilidade da versão traduzida em uma amostra da população-alvo) e reconciliação para a elaboração da versão final. Resultados: Na etapa do desdobramento cognitivo, foram entrevistados 41 indivíduos com asma que preencheram os critérios de inclusão. Todos responderam ao ACCI e avaliaram a clareza dos enunciados/questões e, para todos os itens, obteve-se um índice de clareza superior a 0,9, ou seja, todas as questões foram consideradas claras. Conclusões: A tradução e a adaptação cultural do ACCI para a língua portuguesa falada no Brasil foram bem-sucedidas e mantiveram as propriedades psicométricas do instrumento original. O ACCI pode ser utilizado na prática clínica por ser simples e de fácil compreensão e aplicação.

 


Palavras-chave: Asma/classificação; Asma/prevenção & controle; Inquéritos e questionários.

 

8 - Achados de tuberculose pulmonar na tomografia computadorizada de alta resolução em transplantados de pulmão

High-resolution computed tomography findings of pulmonary tuberculosis in lung transplant recipients

Irai Luis Giacomelli, Roberto Schuhmacher Neto, Carlos Schuller Nin, Priscilla de Souza Cassano, Marisa Pereira, José da Silva Moreira, Douglas Zaione Nascimento, Bruno Hochhegger

J Bras Pneumol.2017;43(4):270-273

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: As infecções respiratórias constituem a principal causa de morbidade e mortalidade em transplantados de órgãos sólidos. A incidência de tuberculose pulmonar é alta entre esses pacientes. Em exames de imagem, a tuberculose tem diferentes apresentações. Uma maior compreensão dessas apresentações poderia reduzir o impacto da doença ao facilitar o diagnóstico precoce. Portanto, buscamos descrever os padrões de tuberculose pulmonar na TCAR em transplantados de pulmão. Métodos: De dois hospitais no sul do Brasil, foram coletados os seguintes dados sobre transplantados de pulmão que desenvolveram tuberculose pulmonar: sexo; idade; sintomas; doença pulmonar que levou ao transplante; padrão na TCAR; distribuição dos achados; tempo entre transplante e tuberculose pulmonar; e taxa de mortalidade. Os achados na TCAR foram classificados como nódulos miliares; cavitação e nódulos centrolobulares com padrão de árvore em brotamento; atenuação em vidro fosco com consolidação; linfonodomegalia mediastinal; ou derrame pleural. Resultados: Foram avaliados 402 transplantados de pulmão, dos quais 19 desenvolveram tuberculose pulmonar após o transplante. Entre esses 19 pacientes, os padrões mais comuns na TCAR foram atenuação em vidro fosco com consolidação (em 42%); cavitação e nódulos centrolobulares com padrão de árvore em brotamento (em 31,5%); e linfonodomegalia mediastinal (em 15,7%). Entre os pacientes com cavitação e nódulos centrolobulares com padrão de árvore em brotamento, esses achados se distribuíam nos lobos superiores em 66,6%. Não se observou derrame pleural. Apesar do tratamento, a mortalidade em um ano foi de 47,3%. Conclusões: O padrão predominante na TCAR foi atenuação em vidro fosco com consolidação, seguido por cavitação e nódulos centrolobulares com padrão de árvore em brotamento. Esses achados são semelhantes aos relatados para pacientes imunocompetentes com tuberculose pulmonar e consideravelmente diferentes dos relatados para portadores de AIDS com a mesma doença.

 


Palavras-chave: Transplante de pulmão; Diagnóstico por imagem; Infecções por Mycobacterium; Doenças torácicas; Tomografia computadorizada por raios X/métodos; Tuberculose pulmonar.

 

9 - Tendência de mortalidade por pneumonia nas regiões brasileiras no período entre 1996 e 2012

Pneumonia mortality trends in all Brazilian geographical regions between 1996 and 2012

Rosemeire de Olanda Ferraz, Jane Kelly Oliveira-Friestino, Priscila Maria Stolses Bergamo Francisco

J Bras Pneumol.2017;43(4):274-279

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Analisar a tendência temporal dos coeficientes de mortalidade por pneumonia (padronizados por idade, utilizando-se a população do Brasil no ano de 2010 como padrão) nas regiões geográficas brasileiras no período entre 1996 e 2012. Métodos: Estudo ecológico de séries temporais utilizando dados secundários do Sistema de Informação sobre Mortalidade do Departamento de Tecnologia da Informação do Sistema Único de Saúde. Foram utilizados modelos polinomiais e de regressão segmentada, com respectivos IC95%, para a análise de tendências. Resultados: Os coeficientes de mortalidade das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste apresentaram um comportamento de decréscimo até o ano de 2000, seguido de crescimento, enquanto as regiões Norte e Nordeste apresentaram tendência de crescimento por praticamente todo o período estudado. Os coeficientes de mortalidade por pneumonia tiveram mudanças em suas variações percentuais anuais, exceto na região Norte. A região Centro-Oeste teve a maior redução em variações percentuais anuais entre 1996 e 2000, seguidas de crescimento de mesma magnitude até 2005. A faixa etária de 80 anos ou mais foi a que mais influenciou o comportamento de tendência dos coeficientes de mortalidade por pneumonia em todas as regiões. Conclusões: De um modo geral, o comportamento dessa tendência se inverteu com um crescimento importante nos anos posteriores a 2000 nas regiões.

 


Palavras-chave: Pneumonia/mortalidade; Pneumonia/epidemiologia; Estudos de séries temporais.

 

10 - A distância percorrida no teste de caminhada de seis minutos pode predizer a ocorrência de exacerbações agudas da DPOC em pacientes brasileiros?

Can the six-minute walk distance predict the occurrence of acute exacerbations of COPD in patients in Brazil?

Fernanda Kazmierski Morakami, Andrea Akemi Morita, Gianna Waldrich Bisca, Josiane Marques Felcar, Marcos Ribeiro, Karina Couto Furlanetto, Nidia Aparecida Hernandes, Fabio Pitta

J Bras Pneumol.2017;43(4):280-284

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar se a distância percorrida no teste de caminhada de seis minutos (DTC6) < 80% do valor previsto pode predizer a ocorrência de exacerbações agudas da DPOC ao longo de 2 anos em pacientes brasileiros. Métodos: Estudo transversal, retrospectivo, com 50 pacientes brasileiros com diagnóstico de DPOC. Após a admissão, os pacientes foram submetidos à coleta de dados antropométricos, avaliação da função pulmonar (resultados espirométricos) e da capacidade funcional de exercício (DTC6), sendo posteriormente divididos em dois grupos: DTC6 ≤ 80% do predito e DTC6 > 80% do predito. A ocorrência de exacerbações agudas da DPOC ao longo de 2 anos foi identificada por meio de registros de prontuários e contato telefônico. Resultados: A amostra geral apresentou obstrução moderada/grave ao fluxo aéreo (média de VEF1 = 41 ± 12% do predito) e média de DTC6 de 469 ± 60 m (86 ± 10% do predito). Nos 2 anos de seguimento após a realização do teste, 25 pacientes (50%) apresentaram exacerbação aguda da DPOC. O método de Kaplan-Meier mostrou que os pacientes com DTC6 ≤ 80% do predito apresentaram exacerbação mais frequentemente que pacientes com desempenho > 80% do predito (p = 0,01), enquanto o modelo de regressão de Cox mostrou que os pacientes no primeiro grupo apresentavam 2,6 mais chances de apresentar exacerbação em 2 anos em comparação ao segundo grupo (p = 0,02). Conclusões: A DTC6 é capaz de predizer exacerbações agudas da DPOC em pacientes brasileiros ao longo de 2 anos. Pacientes com DTC6 ≤ 80% do valor predito têm mais que o dobro de chances de apresentar exacerbação em 2 anos.

 


Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica; Grupos de risco; Exercício.

 

11 - Qualidade de sono em estudantes de medicina: comparação das diferentes fases do curso

Sleep quality in medical students: a comparison across the various phases of the medical course

Camila de Castro Corrêa, Felipe Kazan de Oliveira, Diego Scherlon Pizzamiglio, Erika Veruska Paiva Ortolan, Silke Anna Theresa Weber

J Bras Pneumol.2017;43(4):285-289

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar a percepção subjetiva de qualidade de sono em estudantes de medicina, comparando as diferentes fases do curso. Métodos: Estudo transversal envolvendo todos os estudantes entre o 1º e o 6º ano da graduação em medicina em uma universidade na cidade de Botucatu (SP), que foram convidados a responder o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh, validado para uso no Brasil. Os resultados dos componentes do índice foram avaliados na amostra global e em três grupos de acordo com o ciclo do curso: básico (1º e 2º anos), de fisiopatologia (3º e 4º anos) e de internato clínico (5º e 6º anos). Resultados: Dos 540 estudantes convidados, 372 responderam o instrumento adequadamente. Desses, 147 (39,5%) relataram ter uma qualidade de sono ruim ou muito ruim, 110 (29,5%) demoram mais de 30 min para conseguir dormir, 253 (68,0%) dormem de 6-7 h por noite, 327 (87,9%) relataram ter eficiência do sono adequada, 315 (84,6%) não indicavam ter distúrbios do sono, 32 (8,6%) relataram fazer uso de medicamentos para dormir, e 137 (36,9%) apresentavam dificuldades em se manter acordados durante o dia ao menos uma vez por semana. Na comparação entre os grupos, os alunos do ciclo básico apresentaram uma pior percepção da qualidade subjetiva do sono e de disfunção diurna que os outros alunos. Conclusões: Estudantes de medicina parecem estar mais expostos a distúrbios de sono, sendo aqueles nos anos iniciais mais afetados por apresentar uma percepção pior de sono. Intervenções ativas devem ser implantadas para melhorar a higiene do sono desses alunos.

 


Palavras-chave: Estudantes de medicina. Qualidade de vida. Sono.

 

Artigo Especial

12 - Recomendações para o tratamento farmacológico da DPOC: perguntas e respostas

Recommendations for the pharmacological treatment of COPD: questions and answers

Frederico Leon Arrabal Fernandes1, Alberto Cukier1, Aquiles Assunção Camelier2,3, Carlos Cezar Fritscher4, Cláudia Henrique da Costa5, Eanes Delgado Barros Pereira6, Irma Godoy7, José Eduardo Delfini Cançado8, José Gustavo Romaldini8, Jose Miguel Chatkin4, José Roberto Jardim9, Marcelo Fouad Rabahi10, Maria Cecília Nieves Maiorano de Nucci11, Maria da Penha Uchoa Sales12, Maria Vera Cruz de Oliveira Castellano13, Miguel Abidon Aidé14, Paulo José Zimermann Teixeira15,16, Renato Maciel17, Ricardo de Amorim Corrêa18, Roberto Stirbulov8, Rodrigo Abensur Athanazio1, Rodrigo Russo19, Suzana Tanni Minamoto7, Fernando Luiz Cavalcanti Lundgren20

J Bras Pneumol.2017;43(4):290-301

Resumo PDF PT PDF EN English Text

O tratamento da DPOC vem se tornando cada vez mais eficaz. Medidas que envolvem desde mudanças comportamentais, redução de exposições a fatores de risco, educação sobre a doença e seu curso, reabilitação, oxigenoterapia, manejo de comorbidades, tratamentos cirúrgicos e farmacológicos até os cuidados de fim de vida permitem ao profissional oferecer uma terapêutica personalizada e efetiva. O tratamento farmacológico da DPOC constitui um dos principais pilares desse manejo, e muitos avanços têm sido atingidos na área nos últimos anos. Com a maior disponibilidade de medicações e combinações terapêuticas fica cada vez mais desafiador conhecer as indicações, limitações, potenciais riscos e benefícios de cada tratamento. Com o intuito de avaliar criticamente a evidência recente e sistematizar as principais dúvidas referentes ao tratamento farmacológico da DPOC, foram reunidos 24 especialistas de todo o Brasil para elaborar a presente recomendação. Foi elaborado um guia visual para a classificação e tratamento adaptados à nossa realidade. Dez perguntas foram selecionadas pela relevância na prática clínica. Abordam a classificação, definições, tratamento e evidências disponíveis para cada medicação ou combinação. Cada pergunta foi respondida por dois especialistas e depois consolidadas em duas fases: revisão e consenso entre todos os participantes. As questões respondidas são dúvidas práticas e ajudam a selecionar qual o melhor tratamento, entre as muitas opções, para cada paciente com suas particularidades.

 


Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica/tratamento farmacológico; Doença pulmonar obstrutiva crônica/prevenção & controle; Doença pulmonar obstrutiva crônica/ terapia.

 

Meta-análise

13 - Antagonistas muscarínicos de longa duração vs. β2-agonistas de longa duração em exacerbações da DPOC: revisão sistemática e meta-análise

Long-acting muscarinic antagonists vs. long-acting β2 agonists in COPD exacerbations: a systematic review and meta-analysis

Israel Silva Maia1, Mariângela Pimentel Pincelli1, Victor Figueiredo Leite2, João Amadera3, Anna Maria Buehler4

J Bras Pneumol.2017;43(4):302-312

Resumo PDF PT PDF EN English Text Anexo

Objetivo: Determinar se long-acting muscarinic antagonists (LAMAs, antagonistas muscarínicos de longa duração) são superiores a long-acting β2 agonists (LABAs, β2-agonistas de longa duração) na prevenção de exacerbações da DPOC. Métodos: Revisão sistemática e meta-análise de ensaios clínicos controlados aleatórios com pacientes com DPOC estável, de moderada a grave, conforme os critérios da Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease, tratados com LAMA (brometo de tiotrópio, aclidínio ou glicopirrônio), acompanhados durante pelo menos 12 semanas e comparados a controles que usaram LABA isoladamente ou com um corticosteroide. Resultados: Foram analisados 2.622 estudos para possível inclusão com base em seu título e resumo; 9 estudos (17.120 participantes) foram incluídos na análise. Em comparação com LABAs, LAMAs resultaram em maior diminuição da razão da taxa de exacerbações [risco relativo (RR) = 0,88; IC95%: 0,84-0,93]; menor proporção de pacientes que apresentaram pelo menos uma exacerbação (RR = 0,90; IC95%: 0,87-0,94; p < 0,00001); menor risco de hospitalizações em virtude de exacerbação da doença (RR = 0,78; IC95%: 0,69-0,87; p < 0,0001) e menor número de eventos adversos sérios (RR = 0,81; IC95%: 0,67-0,96; p = 0,0002). A qualidade geral das evidências foi moderada para todos os desfechos. Conclusões: O principal achado desta revisão sistemática e meta-análise foi que LAMAs reduziram significativamente a taxa de exacerbações (episódios de exacerbação/ano), os episódios de exacerbação, as hospitalizações e os eventos adversos sérios.

 


Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica; Antagonistas muscarínicos; Agonistas adrenérgicos beta; Broncodilatadores; Aerossóis/uso terapêutico; Gerenciamento clínico.

 

Artigo de Revisão

14 - Achados de TC de tórax em pacientes com disfagia e aspiração pulmonar: uma revisão sistemática

Chest CT findings in patients with dysphagia and aspiration: a systematic review

Betina Scheeren1, Erissandra Gomes2, Giordano Alves3, Edson Marchiori3, Bruno Hochhegger1

J Bras Pneumol.2017;43(4):313-318

Resumo PDF PT PDF EN English Text

O objetivo deste estudo foi realizar uma revisão sistemática dos achados de TC de tórax que caracterizem aspiração pulmonar em pacientes com disfagia, identificando as características e os métodos utilizados. Para a seleção dos estudos, foram utilizadas as bases de dados da Biblioteca Virtual em Saúde, LILACS, Indice Bibliográfico Español de Ciencias de la Salud, Medline, Biblioteca Cochrane, SciELO e PubMed. A busca foi realizada no período entre junho e julho de 2016. Foram incluídos e revisados cinco artigos, todos realizados nos últimos cinco anos, publicados em língua inglesa e oriundos de diferentes países. O tamanho da amostra nos estudos selecionados variou de 43 a 56 pacientes, com predominância de sujeitos adultos e idosos. Os achados tomográficos em pacientes com aspiração relacionada à disfagia foram variados, abrangendo bronquiectasias, espessamento da parede brônquica, nódulos pulmonares, consolidações, derrame pleural, atenuação em vidro fosco, atelectasias, espessamento septal, fibrose, aprisionamento aéreo, entre outros. As evidências sugerem que os achados de TC de tórax em pacientes que apresentam aspiração são diversificados. Nesta revisão, não foi possível estabelecer um consenso que pudesse caracterizar um padrão de aspiração pulmonar nos pacientes com disfagia, sendo importantes investigações futuras sobre o assunto.

 


Palavras-chave: Aspiração respiratória; Tomografia computadorizada por raios X; Pulmão.

 

Imagens em Pneumologia

Relato de Caso

16 - Granulomatose pulmonar de corpo estranho em um usuário crônico de cocaína em pó

Pulmonary foreign body granulomatosis in a chronic user of powder cocaine

Shruti Khurana1, Ankit Chhoda2, Sandeep Sahay3, Priyanka Pathania4

J Bras Pneumol.2017;43(4):320-321

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Descrevemos o caso de um homem de 33 anos de idade, usuário crônico de cocaína em pó, que apresentava dispneia, febre, sudorese noturna e perda de peso significativa. A TCAR de tórax revelou nódulos centrolobulares, dando uma impressão inicial de tuberculose miliar. Por isso, o paciente passou a receber tratamento empírico com quatro tuberculostáticos. Quatro semanas depois, apesar do tratamento antituberculose, o paciente continuou a apresentar os mesmos sintomas. Foi então realizada a biópsia pulmonar transbrônquica. A análise histopatológica da amostra obtida revelou granuloma de corpo estranho birrefringente. A história de uso de cocaína por inalação, a presença de nódulos centrolobulares e os achados histopatológicos de corpos estranhos confirmaram o diagnóstico de granulomatose pulmonar de corpo estranho. Este relato destaca o fato de que a granulomatose pulmonar de corpo estranho deve ser incluída no diagnóstico diferencial de perfis clínicos que se assemelham a tuberculose.

 


Palavras-chave: Pulmão; Granuloma de corpo estranho; Transtornos relacionados ao uso de cocaína.

 

Cartas ao Editor

17 - Sinal do halo invertido: pense também em pneumonia eosinofílica crônica

The reversed halo sign: also think about chronic eosinophilic pneumonia

Gaetano Rea1, Giorgia Dalpiaz2, Alessandro Vatrella3, Stefania Damiani4, Edson Marchiori5,6

J Bras Pneumol.2017;43(4):322-323

PDF PT PDF EN English Text


18 - Pneumotórax: entre a praia e a estratosfera

Pneumothorax: between the beach and the stratosphere

Eduardo Kaiser Ururahy Nunes Fonseca1, Adham do Amaral e Castro1, Yoshino Tamaki Sameshima1

J Bras Pneumol.2017;43(4):324-325

PDF PT PDF EN English Text


 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1